Ir para o conteúdo
Crescimento Pessoal

Como montar um plano de carreira

Você já parou para pensar em um plano de carreira? Seja para conseguir o emprego de seus sonhos ou aquela promoção e reconhecimento tão esperados, crescer gradativamente em colocação profissional necessita de um preparo específico. Além disso, é também por meio de um bom desenho formatado que a análise do presente e do futuro podem se conectar de forma objetiva. 

Por isso, o Portal Pós separou algumas dicas valiosas para que a estruturação e construção de seu futuro profissional sejam feitas da melhor maneira, sem atropelos ou esperança na sorte. Confira. 

Pare para pensar em que momento você está

Saber avaliar em qual momento você está fará toda a diferença para a construção e a projeção de sua carreira. Por isso, informações fundamentais devem ser levadas em conta abrangendo todo o ciclo do trabalho realizado por você até agora. 

É importante saber responder para si mesmo, por exemplo, se você está satisfeito com sua ocupação e afazeres atuais. Além disso, avaliar pontos positivos e negativos de seu trabalho diário e ainda relacionar o que pode estar mais atrapalhando do que ajudando, facilita a visualização do que pode ser mudado a curto, médio e longo prazo. 

Não se acostume à zona de conforto

Fazer um curso que complemente seu aprendizado e engrandeça seu currículo pode ser o caminho para fundamentar a construção de um caminho sólido de carreira. Por isso, se você atua na área de finanças, por exemplo, que tal procurar uma pós-graduação ou MBA que agregue em seus conhecimentos? 

O mesmo vale para outras áreas, como comunicação [inserir o link da matéria sobre comunicação], saúde, tecnologia, direito, recursos humanos, gestão,  entre tantas outras oportunidades. Sair da chamada zona de conforto pode, inclusive, fazer com que seus superiores percebam seu valor ao saberem que você gostaria de crescer profissionalmente e está investindo para isso. 

Pense a qual lugar você quer chegar

Essa reflexão deve ser feita com base em seus anseios, comparando-os às possibilidades oferecidas ― seja por seu emprego atual, seja pelo mercado de atuação. Quando há um objetivo definido, você se esforça e trabalha para alcançá-lo. Por isso, o clichê de “trabalhe para a vaga que quer ocupar e não para a que ocupa” é tão valioso nesse sentido e deve ser explorado sempre que possível. 

Essa é também uma forma plausível de não deixar sua carreira acontecer à mercê do fator sorte ou ainda esperar gratuitamente o reconhecimento de algum superior. Faça-se ser enxergado em suas funções e afazeres. 

Tenha metas bem traçadas

Entender dos prazos, saber esperá-los e compreender as possibilidades reais que estão à sua volta são pontos essenciais para que os objetivos de carreira sejam alcançados. No entanto, mais importante do que isso, é que você mesmo construa essas metas e mapeie o que ainda há para aprender ou mudar para conquistá-las. 

Seja por meio de um curso novo, o aprendizado de um novo idioma ou mesmo treinamentos preparatórios para que esse patamar de crescimento possa ser alcançado, avalie de forma precisa quais são as atitudes necessárias. Procure entender também as mudanças do mercado em que atua e busque novas habilidades e competências diante das suas investigações. 

Porquê eu preciso de um plano de carreira

Aqui encontramos outro ponto que deve ser respondido por meio de perguntas feitas internamente: Por que eu quero conquistar esse cargo? O quanto isso é importante para mim? O que vai acarretar positivamente em meu currículo e conhecimento profissional? 

As respostas devem coincidir com seus principais objetivos de vida. Afinal, não temos uma vida profissional separada da pessoal e vice-versa. Além disso, há a necessidade de alinhar as expectativas aos seus valores e também às suas capacidades de mudança e resiliência. 

Não se fruste

Diante de tudo o que foi traçado, cuidado para não se frustrar. Algumas coisas, mesmo com o plano de carreira e objetivos bem definidos, às vezes dependem de fatores externos que estão além de seu poder de decisão. Por isso, vale reconstruir, por meio de aprendizados, o que pode ter dado errado ou não ter saído tanto como o esperado. 

Esse momento é aquele em que você pode usar toda sua capacidade de resiliência e reconstrução para entender profundamente o que pode estar faltando em você ou em seus avaliadores. Pare, reflita e siga em frente, sem desistir. 

E você, pensa em incluir uma pós-graduação ou MBA em seu plano de carreira? Acesse ao Portal Pós e descubra as oportunidades. 

 

 

Conheça nossas faculdades