Ir para o conteúdo
Tendências e Inovação

Mulheres líderes

Mulheres

Quando falamos de direitos femininos percebemos que os ganhos mais significativos são bastante recentes, enquanto outros ainda estão apenas na pauta. Há cerca de um século, as mulheres não tinham metade dos direitos atuais, seja na esfera política, profissional ou na sociedade como um todo.

De lá para cá tivemos inúmeros movimentos importantes, como o das Sufragistas, que lutaram pelo direito ao voto feminino na Inglaterra, ou mais recentemente o levante na Argentina, onde, milhares de mulheres foram às ruas para pressionar o senado pela legalização do aborto no país.

Hoje, as mulheres têm muito mais espaço e oportunidades para seguirem em frente. E também, provocarem suas próprias revoluções ou lutarem por ideias coletivas. Contudo, isso era algo impensado há alguns anos.

Segundo uma pesquisa realizada pelo IBGE no primeiro semestre deste ano, as mulheres, já tão fundamentais no setor econômico, atualmente correspondem a 23,05% da força de trabalho com ensino superior, contra 20,7% dos homens. Ainda assim, os salários das mulheres são, em média, 25% menores do que os dos homens que exercem a mesma função.

Felizmente, a coragem de diferentes mulheres em diversas frentes têm auxiliado a abrir portas e derrubar tabus. No Brasil e no mundo, muitas posições de prestígio já estão sendo ocupadas por mulheres que servem de inspiração para outras que buscam seu lugar ao sol. Conheça algumas delas e suas histórias, abaixo:

Luiza Helena Trajano

Ela é conhecida como uma das mulheres mais poderosas do país na atualidade. Luiza é a pessoa por trás da gigantesca rede de varejo Magazine Luiza. A empresária começou tímida em Franca, no interior de São Paulo. Porém, a sua visão de negócio permitiu crescer ao ponto de competir com outras lojas do mesmo segmento já estabelecidas no mercado. Hoje, Luiza já administra mais de 800 unidades do Magazine.

Djamila Ribeiro

Se o cenário ainda não é perfeito para as mulheres, ele ainda está mais distante para as mulheres negras. Mas elas resistem e florescem, a exemplo de Djamila Ribeiro: filósofa, feminista, acadêmica e ativista com forte presença digital. Ela é uma das responsáveis pelo crescimento da defesa dos direitos femininos, sobretudo das mulheres negras. A filósofa também já ocupou a cadeira de secretária adjunta dos Direitos Humanos na cidade de São Paulo.

Marta Vieira da Silva

Marta coleciona uma série de vitórias em sua vida. Começando por desbravar uma modalidade esportiva pouco amigável às mulheres, ao menos no Brasil: o futebol. Ela já ganhou diversos prêmios na carreira, dentre eles, oito prêmios Fifa – sendo cinco no primeiro lugar -, além de conquistas em jogos pan-americanos, Copa América e mais.

Lua Fonseca

Já ouviu falar de parentalidade positiva? Lua é uma das pessoas que está levando esse assunto ao grande público, mais especificamente via Instagram. A ex-publicitária descobriu os caminhos para uma abordagem parental mais delicada e efetiva, quando abandonou a vida agitada das agências e voltou seus cuidados aos filhos. É através dessa rotina que ela ensina a terceiros com base em suas próprias angústias, dificuldades e, claro, os muitos acertos. Líderes como a educadora afloram o que há de mais importante na sociedade: o cuidado real com o outro.

Thais Farage

Essa jovem, consultora de moda, acredita que a moda pode ser artística, funcional e divertida. E não algo elitista que demanda um grande investimento financeiro. Então, como Lua e Djamila, o trabalho de Thais cresceu na internet. Atualmente, conta com um público engajado. Hoje, a consultora usa seu olhar de expert para empoderar as mulheres a sua volta com cores e formatos.

Sentiu inspiração para desbravar novos áreas, assim como fizeram as mulheres acima? Nós temos opções em pós-graduação e MBAs que podem te ajudar. Confira.

Conheça nossas faculdades