Ir para o conteúdo
Tendências e Inovação

O crescimento da área de Cyber Security e a importância de se especializar

notebook exibindo cadeados para indicar cyber security

Nos últimos meses, percebemos que os ataques cibernéticos têm ficado cada vez mais frequentes. Com isso, as empresas e órgãos públicos perceberam a necessidade de investir na segurança do ambiente digital e cresceu a demanda por profissionais de Cyber Security — os especialistas em segurança cibernética.

Em 2020, por exemplo, milhões de brasileiros tiveram os dados como CPFs e registros de contas de celulares vazados, e isso foi descoberto pela PSafe, empresa de segurança cibernética, ao monitorar negociações de dados sigilosos na famosa deep web.

Esse acontecimento ficou conhecido como “megavazamento de dados” e trouxe à tona a vulnerabilidade do sistema de armazenamento dos dados. A segurança cibernética existe para evitar que falhas como essa se repitam e para que empresas, públicas ou privadas, determinem diretrizes, princípios e ações para proteger seus recursos comerciais e dados estratégicos.

A tendência é que a demanda por especialistas nesta área cresça exponencialmente nos próximos anos. Mas, o que faz um profissional de Cyber Security? Caso você tenha interesse na área, é importante entender as principais funções e como se preparar para atuar nesse setor.

Quais as funções de um profissional de Cyber Security?

Os profissionais dessa área são responsáveis por identificar todos os pontos vulneráveis do negócio no ambiente digital e em outros sistemas. Esse trabalho também envolve o mapeamento de pontos fracos, que podem ser porta de entrada para ataques virtuais.

banner de pós-graduação com até 60% de desconto

Esse especialista também deve simular os possíveis ataques que poderiam ser realizados e criar proteções contra eles, prevendo os fatos para poder reforçar a segurança da informação daquela instituição e assim garantir a integridade dos dados.

Espera-se que o profissional deste setor realize atividades como:

  • Prever riscos de sistemas, lojas virtuais e ambientes virtuais de empresas e diminua a possibilidade de ataques;
  • Consiga detectar todas as intrusões e elaborar sistemas de proteção;
  • Crie políticas e planos de acesso a dados e informações;
  • Atualize os parâmetros de segurança da organização;
  • Organize um sistema eficiente e seguro para os colaboradores e terceirizados;
  • Verifique todas as vulnerabilidades e entenda as falhas responsáveis por elas;
  • Semanalmente faça auditorias periódicas;
  • Realize avaliações de risco em redes, aplicativos e sistemas;
  • Consiga garantir segurança no armazenamento de dados de empresas, lojas virtuais e outros.

A cibersegurança no dia a dia

Um exemplo simples e que acontece no nosso dia a dia é que ao fazer uma compra virtual nós disponibilizamos dados pessoais como nome completo, CPF, endereço e até o número de cartão de crédito para o sistema da loja, não é?! 

Mas, quem é o responsável por evitar que estes dados não cheguem às mãos de criminosos? E nós respondemos: são os profissionais de Cyber Security que criam barreiras para que os dados não sejam utilizados fora do sistema — diferentemente do que aconteceu em 2020.

Leia também: Carreira em tecnologia: quais as áreas mais bem pagas?

Quando o assunto é sobre empresas, esses mesmos criminosos têm interesse em outros dados como planilhas de planejamento, balancete financeiro, relatórios e outras informações mais estratégicas, mas que ficam guardadas (e seguras) graças ao time de segurança cibernética.

Como ingressar nessa área?

Mesmo com o aumento na busca de profissionais de Cyber Security, ainda é possível notar uma escassez neste mercado, já que os formados não são suficientes para atender todas as empresas. A alta demanda por esses especialistas, altos salários e a grande importância da defesa cibernética são os principais atrativos para se profissionalizar nesta área.

É importante ressaltar que trabalhar com cibersegurança não significa lidar, obrigatoriamente, com ferramentas técnicas. Por exemplo, hoje a atual demanda é por profissionais especializados em privacidade de dados pessoais que, neste caso, trabalham com tecnologia, normas e leis. Por isso, fazer um MBA em Cibersegurança irá aprofundar o conhecimento no tema e impulsionar a carreira do profissional para oportunidades com desafios cada vez maiores.

O MBA em Cybersecurity e Cybercrimes é destinado aos profissionais com curso superior nas áreas ligadas à Tecnologia da Informação, Sistemas de Informação, Engenharia e Ciência da Computação. Também é voltado a pessoas que saibam sobre TIC com curso superior reconhecido pelo MEC e que desejam atuar como especialistas e consultores, com consultores multidisciplinares em crimes cibernéticos (Cybercrime) e segurança da informática (Cybersecurity).

Durante esse período de pós-graduação, você vai aprender:

  • Técnicas de Contrainteligência e Contraespionagem na proteção de materiais e imateriais ativos, para anular as ações da Inteligência e da Espionagem hostis;
  • Eduar profissionais do setor público e privado, que lidam com informações importantes, a aplicar melhores práticas para a proteção;
  • Apresentar modernas técnicas de interação humana utilizadas pela inteligência e espionagem para obter informações protegidas — usando como base de estudo a 4ª Revolução Industrial;
  • Sensibilizar as pessoas para a necessidade de aprender e aplicar medidas de proteção para informações pessoais e profissionais, principalmente se tiver algo de conteúdo sensível;
  • Desenvolver técnicas para fazer frente às ameaças vindas de instáveis ambientes cinético e cibernético.

E hoje, fazer uma pós-graduação EAD é ainda mais fácil, pois você tem a liberdade de montar a sua rotina de estudos e conciliar com outras necessidades do seu dia a dia. E, quando falamos de Cyber Security, optar por um MBA intensivo ou pós-graduação online é uma ótima maneira para conseguir ingressar e se especializar nesta área.

Conheça nossas faculdades