Ir para o conteúdo
Crescimento Pessoal

O que é escuta ativa e sua importância no desenvolvimento pessoal e profissional

Contar histórias e ouvi-las. Identificamos essas práticas fundamentais para a evolução da comunicação, não é mesmo? Mas a construção de um diálogo eficiente, ao contrário do que muitos pensam, depende mais da escuta do que da fala. Por isso, saber desenvolver a escuta ativa é tão importante. 

Mas não se engane; mais do que a atenção sonora, a escuta ativa envolve todos os nossos sentidos: verbal, visual, corporal e intencional. É como se fosse uma matriz que conecta um ponto ao outro, fazendo que o conteúdo absorvido no final seja muito mais atrativo e qualitativo. 

Segundo o pesquisador Albert Mehrabian, que desenvolveu diversas teorias em sua carreira e um amplo campo de estudos sobre a comunicação, em relação à expressão de emoções e atitudes, “7% da comunicação em um diálogo ocorre pelas palavras, 38% pelo tom de voz e 55% pela linguagem corporal”. 

De toda a informação que ouvimos ao longo de um dia, apenas 25% é coletada com eficiência. Ou seja, na maioria do tempo estamos distraídos, sem foco ou pensando em outras coisas. E a tendência, em uma época em que fazemos mais coisas ao mesmo tempo, é que este número se reduza ainda mais.

Leia também: A arte de viver em sociedade: quais habilidades podemos desenvolver?

Por que precisamos praticar a escuta ativa?

Através da escuta ativa é possível transformar realidades e derrubar “pré-conceitos”, muitas vezes estereotipados antes de terminarmos de ouvir algo. É sobre entender uma situação sem cair em suposições. 

Além disso, a “não escuta” leva a população à hiper-individualização, demonstrando cada vez menos interesse em opiniões contrárias às suas. O que não é nada saudável, visto que ouvir os mais diversos pontos de vista e reforçar o sincretismo faz parte da democratização. Quando escutamos e nos colocamos no lugar de ouvinte ativo, evitamos a opressão e ativamos o poder de mudança interna e social. 

Praticar a escuta ativa ajuda a minimizar conflitos e desgastes, colabora na criação e sustentação de bons relacionamentos, expande a empatia mostrando a valorização e o acolhimento de ideias, além de respeito. Ou seja, são benefícios tanto para o desenvolvimento pessoal quanto profissional.

Leia também: Psicologia positiva: o que é e qual a sua importância?

Como desenvolver a escuta ativa?

O nosso cérebro percorre um longo caminho até tomar uma decisão definitiva. Por isso, quando temos um histórico mais completo de algumas situações, ou quando fazemos uma imersão, a tomada de decisão se torna mais concisa. E saber ser um ouvinte ativo faz parte deste processo. 

Ah, isso não significa que você precisa sempre concordar com o que está coletando, mas respeitar, no mínimo, de maneira cuidadosa e atenciosa, certo? Veja abaixo algumas dicas para desenvolver a sua escuta ativa.

  • Pratique a compreensão 

Compreender é não tirar sua conclusão a partir de um só elemento, mas juntar todos os atributos de uma explicação; é analisar novos caminhos e pensar em alternativas empáticas. Escutar ativamente é estar aberto a atender os processos e necessidades afetivas do outro, ajudando na construção de laços, seja no nosso círculo familiar, amigável ou profissional.

  • Não tenha pressa

Espere o outro terminar. Esse parece um tópico simples e óbvio, mas a verdade é que muitas vezes não esperamos que o outro termine sua ideia, para concluir nossos pensamentos. Tenha interesse e ouça sem interromper, cheque o que você escutou e, se necessário, tire dúvidas. Observe se o que você acrescentará fará sentido e também se questione sobre o que te motiva realmente a falar. 

  • Concentre-se no momento 

Para escutar de verdade, é preciso reconhecer o que está sendo abordado em sua frente e não deixar a mente “viajar” em outras coisas. É muito comum no meio de uma conversa, pensarmos em algo paralelo, perdendo o foco do momento presente e da informação proposta – o que não é nada legal para ambos os lados.

  • A escuta não pode ser seletiva

Outro ponto importante é não ouvir somente o que queremos. É preciso firmar a nossa interdependência e pertencimento – essa é uma forma de cuidado consigo mesmo e com o outro. Afinal, aprendemos muito ouvindo, então abra-se à palavra do outro e aproveite esta escola. Não preste atenção somente àquilo que você já pensou ou planejou, esteja aberto. Escutar ativamente é renunciar ao status de agilidade em respostas prontas e construir juntos.

  • Saia do modo automático

Respire, desligue-se do trabalho e conduza atividades diferentes. Muitas vezes, a falta de foco é resultado de uma mente cansada. Há dias em que ficamos tão imersos na rotina que até esquecemos de testar novas oportunidades que surgem em nossa vida. Lembre-se que um detalhe simples pode trazer um grande resultado. Uma mudança ou uma iniciativa inesperada pode acender aquela chama de motivação de que você estava precisando.

E aí, você pratica a escuta ativa? Lembre-se que, para a compreensão de uma mensagem acontecer efetivamente, necessitamos do outro. Aproveite e veja os lançamentos de pós-graduação e invista no futuro da sua carreira!

Conheça nossas faculdades