Ir para o conteúdo
Mercado de Trabalho

O que é salário emocional e qual a importância para os profissionais?

mulher feliz para ilustrar texto sobre salário emocional

Quando procuramos emprego, uma das coisas mais importantes a ser considerada na vaga pretendida é o salário pago pela empresa. E quando falamos nele, a primeira coisa em que pensamos é a remuneração. Salários generosos sempre foram o principal artifício utilizado pelas companhias para atrair e manter bons profissionais, mas há tempos isso já não é mais uma regra no mercado de trabalho. Aqui, o salário emocional ganha peso.

Quem está no mercado procura mais do que simplesmente ganhar mais dinheiro. Por isso, quando o candidato recebe uma proposta, a oferta salarial não é a única forma de convencer aquele profissional a se juntar ao time. Cada vez mais, benefícios extras são colocados em prática, como auxílio em despesas médicas, creche para os filhos e subsídios em cursos de capacitação. Esses são apenas alguns exemplos mais comuns encontrados no mercado hoje em dia. 

banner de pós-graduação com até 60% de desconto

São fatores importantes que aumentam a competitividade das empresas frente ao mercado de trabalho, pois dão mais recursos e opções para que o trabalhador equilibre a vida pessoal e profissional com respaldo da empresa. E são esses benefícios e motivações extras que compõem o chamado salário emocional, um dos fatores mais importantes para as empresas que buscam bons colaboradores para seus times.

O que é salário emocional?

Ao contrário de um salário comum, o salário emocional não é representado por uma cifra e nem está registrado em carteira. Trata-se, na verdade, de um conjunto de fatores emocionais e motivacionais que fazem com que as pessoas queiram permanecer em uma empresa. Por ser algo subjetivo, que varia de acordo com cada ambiente ou tipo de profissional, sua composição acaba sendo diferenciada.

A remuneração emocional não se trata apenas de benefícios previstos por lei, mas de um conjunto de fatores que, quando oferecidos com a remuneração tradicional, motivam as pessoas a permanecerem na empresa. Claro que um salário atrativo é importante, mas, no mundo dinâmico em que vivemos hoje, isso já não é mais o suficiente para que os profissionais sintam plena satisfação com seu trabalho. Outros fatores passam a ser necessários para garantir a motivação diante das demandas diárias.

Leia também: Bem-estar no trabalho: como deixar a rotina mais leve?

Uma empresa focada no desenvolvimento de seu capital humano deve incluir em seu pacote de benefícios produtos ou serviços que farão com que os colaboradores valorizem tanto ou mais que o que estiver na folha de pagamento. São pontos de valores não tangíveis, como o ambiente de trabalho, a disposição e comunicação entre operacional, tático e estratégico, bem como qualidade de vida no local de trabalho.  São vantagens que extrapolam a realidade de boa parte das empresas e que normalmente são oferecidas por organizações que tem um olhar em direção a uma nova realidade.

A importância do salário emocional para o profissional

O salário emocional faz parte da estratégia das empresas para que os funcionários se mantenham produtivos e queiram permanecer em seu cargo, dentro de uma visão de longo prazo. Poder contar com esses benefícios extras da remuneração emocional traz imensas vantagens para o trabalhador, que se vê mais motivado para enfrentar os desafios de sua rotina de trabalho, além de obviamente trabalhar mais feliz. A sensação de retorno pela dedicação empregada é um dos maiores componentes do salário emocional.

Algumas das vantagens que o funcionário pode notar quando recebe um bom salário emocional são: bem-estar psicológico, saúde, melhor uso de seu tempo de serviço, vitalidade comunitária, educação profissional, cultura e um melhor padrão de vida. O salário emocional, diferente da remuneração, não depende apenas da empresa. Para que ele ocorra, é necessário o envolvimento de todos os colaboradores, principalmente dos gestores. 

Se não houver envolvimento das lideranças para proporcionar esse ambiente de trabalho mais agradável, a satisfação dos funcionários será baixa. Com todos engajados na mesma iniciativa, o retorno do salário emocional será mais fácil e garantido. O treinamento e compreensão do conceito possibilita que os fatores motivacionais tenham um peso maior, fazendo com que o colaborador queira permanecer por um longo tempo na empresa.

Investir em uma pós-graduação também irá ajudar o profissional a ter um maior retorno de remuneração emocional. Um profissional que investiu em sua própria educação e preparação, tem mais a contribuir para as empresas, e assim ajudar na construção do salário emocional. .

Quanto maior o salário emocional, maior será o retorno para a empresa. Os trabalhadores que se sentem bem e que são reconhecidos tendem a se doar e realizar um trabalho com mais qualidade. O ganho ocorre para ambos os lados e possibilita o crescimento da empresa e do colaborador.

Conheça nossas faculdades