Ir para o conteúdo
Curiosidades

Você conhece o Transtorno do Espectro Autista (TEA)?

mãos segurando coração com símbolo do autismo

Nos últimos anos, os estudos sobre o autismo e o interesse público sobre o tema aumentaram consideravelmente. Isso se deve à atenção que os meios de comunicação têm dado ao assunto. Podemos encontrar, por exemplo, diversos filmes que retratam pessoas com autismo, como: “Aprendiz de Sonhador” e “Código para o Inferno”. Atualmente, os pesquisadores estimam que existem cerca de 70 milhões de pessoas com TEA no mundo, sendo que 2 milhões moram no Brasil. Segundo o relatório do CDC de 2020, o transtorno tem uma prevalência maior nas pessoas do sexo masculino; a cada 4 pessoas autistas, 3 são do sexo masculino e apenas 1 do sexo feminino.

banner de pós-graduação com até 60% de desconto

Quais as características do TEA?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é caracterizado como um TGD (Transtorno Global do Desenvolvimento), apresentando como principais características a dificuldade na linguagem, na comunicação verbal e interação social, dificuldade em desenvolver e manter relacionamentos, padrões restritos e repetitivos de movimentos e comportamentos, e, atrasos no desenvolvimento motor, muitas vezes relacionados ao equilíbrio, postura e coordenação motora. O desenvolvimento da linguagem, da aprendizagem e aquisição de gestos motores, são sinais de alerta para o diagnóstico do TEA. Não existe exames clínicos ou laboratoriais que identifiquem o TEA, dificultando muitas vezes o laudo precoce e início das intervenções.

Leia também: 4 dicas para combater o sedentarismo

É importante diagnosticar o quanto antes o TEA, quando mais cedo o diagnóstico, melhor será o desenvolvimento do paciente. O tratamento requer uma equipe multidisciplinar, que envolve muitas vezes uso de medicamentos. Vejamos algumas atividades que podem ser desenvolvidas para as pessoas com TEA:

1. Identifique o interesse de cada pessoa

Assim como todas as pessoas, os indivíduos com TEA possuem super habilidade em alguma área de conhecimento. Precisamos apenas identificar este potencial e trabalhar atividades que o ajudem a se desenvolver. O estímulo por parte dos pais é super importante nesse processo, que ajuda bastante a equipe profissional.

 2. Mantenha uma rotina de atividades físicas

Em sua maioria, pessoas com TEA tendem a apresentar sobrepeso e muitas vezes obesidade, isso pela falta de atividade física e ingestão calórica alta, gerando acúmulo de gordura, o que pode desencadear doenças no futuro. Atividades como caminhada, futebol, jiu-jitsu, capoeira e videogames interativos, são exemplos de atividades possíveis de se desenvolver, que além de manter os níveis de atividade física, melhoram a interação social, a coordenação motora e a afetividade.

3. Tenha paciência

O TEA possui características específicas, que muitas vezes pode ser difícil de lidar. Cada nível do transtorno possui características e formas de intervenção diferentes, o que requer paciência e amor para ajudar. Com paciência podemos ajudar no desenvolvimento e autonomia deles, gerando assim uma melhor qualidade de vida.

Viu como é simples! Agora que você já conhece um pouco sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA), pode começar a praticar estes conhecimentos com seus familiares e colaborar no desenvolvimento destas pessoas. Se cada um fizer sua parte, juntos teremos uma igualdade de direitos.

Texto escrito por Nysherdson Fernandes de Barros

Licenciado e Bacharel em Educação Física, Especialista em Educação Física Escolar e Atividade Física e Mestre em Biotecnologia e Inovação em Saúde.

Conheça nossas faculdades